Carreiras Jurídicas: Juiz do Trabalho

Voltar para Blog, Notícias e Concursos

Carreiras Jurídicas: Juiz do Trabalho

Prestar vestibular para ciências jurídicas não foi a primeira opção do professor e juiz do trabalho Josley Soares.  Após tentar administração de empresas e, até mesmo a área de saúde, ingressou no direito, encontrando a paixão pela profissão somente no segundo ano da faculdade. A preparação para o certame, no entanto, começou em 2006, um ano após estar formado.

Durante a convivência com uma colega no estágio, que estudava para concurso de juiz do trabalho, que o sonho nasceu dentro dele:

“As inspirações e as referências das pessoas que nos cercam refletem grandemente na nossa vida. Foi no desejo dela de ser juíza que nasceu o meu”, enfatiza.

Josley foi aprovado em 2011, no 36° Concurso para Juiz do Trabalho da 2ª Região, o 15º que prestou para a magistratura. Efetivamente foram 5 anos estudando com afinco e dedicação até conquistar a tão sonhada vaga. Porém, antes disso, também tentou, sem sucesso, alguns concursos para outros cargos, dentre eles: analista e técnico judiciário:

“Eu sentia uma frustração bem grande, pensava: como serei juiz do trabalho se não passo em concursos em que a exigência é um pouco menor?”

Diante disso percebeu que deveria focar apenas nos editais para a magistratura.

 

 

SOBRE O CARGO DE JUIZ DO TRABALHO

 

Atribuições:

O Juiz do Trabalho é o juiz competente para julgar os feitos que tramitam na Justiça do Trabalho. Exerce jurisdição nas varas do trabalho como juiz singular, conforme os ditames do art. 116 da Constituição Federal (redação determinada pela emenda constitucional n. 24/1999, a qual extinguiu as juntas de conciliação e julgamento e a representação de juízes classistas ou “vogais”).

O Juiz do Trabalho não é Juiz Federal, mas sim magistrado do Poder Judiciário da União. Da mesma forma que um Agente do Poder Judiciário Federal não é Agente Federal, cujo órgão de exercício é a Polícia Federal. Juiz Federal é o juiz da justiça comum da União, assim como o Juiz de Direito é o juiz da justiça comum estadual ou distrital. O fato de termos Justiças Especializadas, e tais justiças, exceto a Justiça Militar, serem de organização exclusiva da União, não pode modificar por status o nomen iuris do cargo: de Juiz do Trabalho; Juiz Eleitoral; Juiz-Auditor da Justiça Militar da União; de Juiz-Auditor dos Tribunais ; Justiça Militar dos Estados ou de Juiz de Direito investido na função da Juiz-Auditor, onde não existe Tribunal de Justiça Militar Estadual; de Juiz Federal e de Juiz de Direito. Observe na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, na parte de organização do Poder Judiciário, a competência de todos os órgãos deste Poder de Estado.

 

 

REQUISITOS:

 

·         Ser bacharel em ciências jurídicas.

·         Ter registro na Ordem dos Advogados do Brasil.

·         Possuir, no mínimo, 3 (três) anos de atividade jurídica.

·         Nacionalidade brasileira, nato ou naturalizado.

·         Estar em dia com as obrigações eleitorais e militares.

·         Não possuir antecedentes criminais.

 

 

REMUNERAÇÃO: iniciais R$ 27.500,17 reais.


 

DISCIPLINAS ESPECÍFICAS:

As disciplinas mais presentes nas últimas provas do concurso foram: Direito do Trabalho e Processo do Trabalho, Direito Administrativo, Direito Ambiental, Direito Civil, Direito Constitucional, Direito do Consumidor, Direito Econômico, Direito Empresarial, Direito Financeiro, Direito Internacional Privado, Direito Internacional Público, Direito Penal – Parte Geral, Direito Penal Especial e Leis Penais, Direito Previdenciário, Direito Tributário, Formação Humanística, Princípios Institucionais da Magistratura, Processo Civil, Processo Penal, Sentença Cível, Sentença Criminal

 

 

ETAPAS DO CONCURSO:

O concurso é dividido em 5 etapas, são elas:

• Primeira Etapa – Prova objetiva seletiva, de caráter eliminatório e classificatório;

• Segunda Etapa – duas provas escritas, de caráter eliminatório e classificatório:

a) prova escrita discursiva;

b) prova prática, consistente em elaboração de uma sentença trabalhista.

• Terceira Etapa – de caráter eliminatório, com as seguintes fases:

a) sindicância da vida pregressa e investigação social;

b) exame de sanidade física e mental;

• Quarta Etapa – uma prova oral, de caráter eliminatório e classificatório;

• Quinta Etapa – avaliação de títulos, de caráter classificatório.

 

 

A dica fundamental que ele deixa aos concurseiros é: desmembre o edital e foque apenas em um concurso, faça um planejamento correto de estudo.

 

É um momento de mudança com a Reforma Trabalhista, mas ele está confiante:

“Eu, como juiz do trabalho, conhecedor da estrutura e da importância da instituição para a sociedade, acredito que Justiça do Trabalho não acabará. Com a chegada da nova Reforma Trabalhista há posições para os dois lados, mas no final das contas isso acaba fortalecendo mais a instituição (Justiça do Trabalho)”, assegura.

Josley deixa um recado aos futuros colegas:


“Todo aluno é capaz de passar nesse concurso. Eu, por exemplo, não vim de faculdade pública, não fiz uma boa graduação, trabalhava, ia para faculdade cansado e, às vezes, nem ia (…).  Achava que não passaria em concurso algum, mas com persistência e disciplina, cheguei lá. Então, pensamento positivo, foco e confiança em si mesmo o levarão a posse, acredite”.

 

Conheça nossos Cursos da Magistratura Trabalhista, siga o exemplo do professor Josley Soares, e seja também um juiz do trabalho.


Por: Miriam Moura


Compartilhe este post

Voltar para Blog, Notícias e Concursos