5 Diferenças entre as carreiras de técnico e analista

Voltar para Blog, Notícias e Concursos

5 Diferenças entre as carreiras de técnico e analista

A comunidade dos concurseiros para as carreiras de Analista e Técnico só cresce. E não é à toa. São milhares de vagas em Tribunais, Ministérios Públicos e Defensorias de todo o país. Na maioria dos casos é possível prestar o concurso para mais de um cargo, fazendo provas distintas, mas com conteúdos bem semelhantes, o que aumenta muito a chance de sucesso em cada concurso.

Como são muitas as opções, é comum que surjam dúvidas quanto ao dia a dia e aos pré-requisitos de cada cargo. Pensando nisso, separamos as principais informações para que você faça a escolha correta e possa começar a jornada de estudos da melhor maneira.

1. Formação

Para se tornar um analista judiciário (ou jurídico) das especialidades área judiciária ou oficial de justiça avaliador federal, é preciso ser formado em Direito e para concorrer às vagas para a área administrativa a exigência é de  ensino superior completo em qualquer curso. No caso do técnico, o único pré-requisito é ter o ensino médio completo, mas os títulos acadêmicos também são levados em consideração posteriormente.

2. Remuneração

Hoje os vencimentos iniciais para analista podem chegar até R$ 12 mil dependendo da região e para técnico podem alcançar aproximadamente R$7 mil com possibilidade de aumento de acordo com as capacitações acadêmicas. Em ambos os cargos, o vencimento básico mais gratificação judiciário e auxílio alimentação estão inclusos. 

curso autoconhecimento aprendizado estratégias de estudo

3. Atividades

As atividades do analista podem ser de natureza administrativa ou jurídica.

No primeiro caso o profissional pode exercer funções relacionadas a recursos humanos, planejamento, arquivos e atendimento. Já o Analista Judiciário área judiciária exerce atividades mais processuais e de assessoramento, enquanto o oficial de justiça realiza atividades jurídicas externas.

Cabe ao Técnico realizar funções administrativas e de apoio ao fluxo de processos judiciais e administrativos e também no atendimento ao público em geral, porém com grau de complexidade menor.

4. Local de atuação

O campo é muito amplo, tanto na esfera federal quanto na estadual.

Nos Tribunais, o trabalho se dará nos TRFs (Tribunais Regionais Federais), TRTs (Tribunais Regionais do Trabalho), TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) e TJs (Tribunais de Justiça). 

No Ministério Público, no MPU (Ministério Público da União) e nos MPEs (Ministérios Públicos Estaduais). Na Defensoria as atividades podem ocorrer na DPU (Defensoria Pública da União) e nas DPEs (Defensorias Públicas Estaduais).

5. Carga horária de trabalho

De acordo com os editais a carga horária nos dois cargos é de 40h semanais, mas existe uma flexibilidade muito grande dentro dos órgãos, o que possibilita remanejamento de horários. Em algumas carreiras também já existe o trabalho remoto ou home office.

 

E agora, já sabe qual carreira seguir?

Conheça nossos preparatórios para técnico e analista aqui.

Compartilhe este post

Voltar para Blog, Notícias e Concursos