Como estudar legislação para concurso público?

Voltar para Blog, Notícias e Concursos

Como estudar legislação para concurso público?

Vocês já devem ter percebido que há alguns anos as bancas examinadoras fizeram a opção por aumentar a cobrança do conhecimento da literalidade dos textos normativos (ou da “lei seca”, como costumamos dizer).

Por um lado, a opção tem a vantagem de aumentar a segurança, pois as questões baseadas em doutrina normalmente geram controvérsias. Por outro, cria uma dificuldade para o candidato, pois é muito enfadonho ler páginas e páginas de legislação e ter que memorizar tudo!

Portanto, é necessário criar uma estratégia para otimizar o estudo da legislação. Quero apresentar para vocês o método que utilizei e tenho ensinado aos meus alunos.

O método parte da seguinte premissa: alguns dispositivos são cobrados com frequência (são os “queridinhos” do examinador) e outros nunca foram e jamais serão exigidos nas provas. Não parece produtivo, por exemplo, passar horas lendo as disposições transitórias finais e transitórias da Lei de Licitações!

A dica então é responder provas anteriores, identificar os dispositivos cobrados e marcá-los na sua legislação. Marque também os capítulos ou seções onde estão localizados esses dispositivos.

Se você não sabe exatamente a lei que é objeto da questão, escreva um trecho da assertiva no google e você descobrirá a lei e o artigo exigido! Aqui na página também tenho respondido a muitas questões de provas e indicando os artigos cobrados. Para facilitar, eu costumava baixar a legislação no site do Planalto, marcar os trechos com o marca-texto do word e salvar no computador.

Na semana da prova, leia e releia os capítulos e seções, com especial atenção nos artigos que já foram cobrados.

O objetivo do método é selecionar os trechos da legislação com maior probabilidade de serem exigidos e levá-los para a prova bem frescos na memória.

Espero que tenham gostado da dica. Em breve retornarei para falar sobre a melhor estratégia para estudar doutrina para concurso público.

Por Anderson Silva (Juiz Federal TRF2) 

Compartilhe este post

Voltar para Blog, Notícias e Concursos