O que é neurociência da aprendizagem e como ela pode te ajudar no concurso?

Voltar para Blog do Ênfase: Notícias, Artigos e Dicas Para Concursos Jurídicos
Neurociência da aprendizagem para concursos

O que é neurociência da aprendizagem e como ela pode te ajudar no concurso?

Entender como funciona o processo de aprendizado pode oferecer caminhos para corrigir problemas de estudos e melhorar resultados pessoais. Por essa razão, reunimos neste artigo o que você precisa saber sobre a neurociência da aprendizagem. Veja como usar esse conhecimento ao seu favor na preparação para concurso!

Antes de qualquer coisa, é importante entender a necessidade de repensarmos a ideia que geralmente se tem sobre aprendizado. Longe de ser um processo totalmente racional e lógico, aprender e interpretar o mundo envolve bastante de nosso estado emocional e da experiência que carregamos durante a vida.

A neurociência é a área central se quisermos saber mais sobre como funciona a mente humana e como o processo de aprendizagem pode ser potencializado no dia a dia. Então, continue a leitura e tire suas dúvidas!

O que é a neurociência da aprendizagem?

Estudos concentrados em entender como a atividade cerebral desempenha influências diretas no comportamento humano, em seus diversos âmbitos, são estudos baseados em neurociência. Trata-se de uma área que procura entender as funcionalidades, estruturas e patologias do sistema nervoso.

Basicamente, o sistema nervoso é conhecido como a “central de controle” do corpo humano, pois ações voluntárias e involuntárias de diversos órgãos dependem das sinapses provocadas pelos impulsos nervosos.

A neurociência é uma área tradicionalmente vinculada à biologia, mas suas atuações são multidisciplinares, uma vez que contribuem para estudos nas áreas de psicologia, tecnologia, filosofia, pedagogia, entre outras.

Um dos ramos da neurociência é a neurociência cognitiva, que tem como foco esclarecer como funciona as capacidades mentais do ser humano, como memória, linguagem percepção etc.

A análise das experiências sensoriais envolvidas no aprendizado é um dos pontos que norteiam os estudos da neurociência cognitiva. É a partir desse ramo que os processos de aprendizagem vêm sendo estudados. A neurociência da aprendizagem nos permite entender como o corpo reage ao entrar em contato com novos conhecimentos.

Por que a neurociência pode ajudar no concurso?

Para aprender uma coisa, fatores que vão muito além das condições materiais do estudante atuam de maneira simultânea. Nível de estresse, quantidade de preocupações com compromissos diários, entre outras condições de ordem subjetiva estão diretamente relacionadas à aquisição de conhecimento e influenciam na curva de aprendizado.

É a partir dessa ótica (mais “complexa”) que a neurociência atua no processo de aprendizado. O modelo padrão na educação brasileira ainda está focado na ótica mais “simplista” quanto ao processo de aprendizado, baseada na rígida noção de transmissão de conhecimento do ponto A para o ponto B, do professor para o aluno.

No entanto, reconhecer que diversos fatores estão envolvidos na “transmissão” de um novo conhecimento não é importante apenas ao “sistema de educação”. O concurseiro consciente desse processo tem mais chances de reconhecer seus próprios limites ao longo da jornada de estudos e agir para corrigi-los.

Hoje, é fundamental que se busque alternativas de estudos que estimulem essa autonomia. Aulas curtas e reunidas dentro de um esquema que facilite a organização do concurseiro tendem a ser o foco dos melhores cursos preparatórios, principalmente daqueles que preparam para os concursos públicos mais difíceis do país (cujos conteúdos programáticos são imensos e exigem esquemas bem planejados).

A modalidade de Ensino a Distância (EAD) é a porta de entrada para esse tipo de solução. Nela, o concuseiro tem a chance de navegar e consumir conteúdos de acordo com sua disponibilidade. Com o controle do ritmo de estudos, fica mais fácil se planejar, estudar todos os assuntos e não se perder no meio da jornada.

Como usar a neurociência da aprendizagem na rotina de estudos?

Agora que você já sabe como funciona a neurociência no processo de aprendizagem e como essa área pode ajudar em seus estudos para concursos, veja algumas técnicas baseadas em neurociência para usar no dia a dia:

Mente descansada e produtiva

Vimos que a atividade cerebral é a principal responsável pelo nosso desempenho em tarefas que exigem um “esforço mental” extra, como é o caso de aprender coisas novas para uma prova de concurso. Pesquisas da área mostram que manter a atividade cerebral em uma baixa frequência é a chave para uma mente mais organizada e produtiva.

Isso acontece porque o cérebro nessa condição consegue se reorganizar com maior facilidade, tornando as habilidades de concentração e criatividade mais susceptíveis. Nesse sentido, a meditação é a melhor atividade a ser inserida na sua rotina!

Sabia que tornar a meditação um hábito pode aumentar o seu QI em até 23%? É um jeito interessante de manter a mente descansada e pronta para enfrentar horas de estudos. 15 a 20 minutinhos de meditação diária são o suficiente. No entanto, o mais importante não é por quanto tempo você medita, e sim se você mantém uma regularidade.

Motivação para estudar

Ter motivação para estudar é uma tarefa bem difícil, principalmente quando você já está enfrentando uma jornada longa de estudos. Depois de meses dentro da mesma rotina, são os cuidados com a sua saúde mental que vão permitir que você se sente para resolver questões e assistir a aulas com um bom nível de dedicação.

Várias estratégias podem ser usadas para garantir o foco nos estudos em momentos difíceis, como anotar os objetivos que levaram você a se esforçar tanto, lembrar das vantagens conquistadas depois da aprovação e fazer atividades de lazer que tornem o seu dia a dia menos cansativo e mais leve.

Maior capacidade de memorização

Um dos grandes desafios enfrentados em uma jornada de estudos que pode durar meses ou até anos é criar memórias de longa duração — em outras palavras, internalizar os assuntos. A quantidade de regras, leis e conceitos para aprender em concursos concorridos, como os concursos federais para carreiras jurídicas, requer um esforço a mais de quem está se preparando.

Com a neurociência, é possível entender que procurar tornar o cotidiano mais leve, evitar níveis frequentes de estresse e ter uma dieta equilibrada são hábitos que contribuem para a manutenção de uma mente saudável e, consequentemente, uma maior capacidade de memorização.

Já ouviu o ditado “corpo sã, mente sã”? Cuidar da alimentação também é cuidar da sua saúde mental. Por exemplo, na lista dos 10 alimentos que contribuem para a memória, encontramos, as hortaliças, o abacate, o suco de uva e o azeite de oliva. Veja a possibilidade de adicionar alimentos como esses, ricos em nutrientes, no seu cardápio.

A neurociência da aprendizagem nos mostra que diversos fatores subjetivos estão envolvidos na hora de adquirir conhecimento. Vimos que eles podem ser desenvolvidos para agir a nosso favor quando precisamos estudar para concursos. Portanto, esperamos que você possa experimentar as dicas deste artigo e melhorar a sua preparação!

Gostou das informações? Conhece alguma técnica para aprimorar resultados pessoais nos estudos? Deixe um comentário abaixo e compartilhe a sua dica conosco!

Compartilhe este post

Voltar para Blog do Ênfase: Notícias, Artigos e Dicas Para Concursos Jurídicos